X

Área Privada


Notícias

Ceia de Natal 2016
2016-12-17

Tal como é tradição na Obra Diocesana de Promoção Social (ODPS), no passado dia 17 de dezembro realizou-se a Ceia de Natal da Instituição. A quadra natalícia e o culminar de um ano de atividades foram o mote para que a grande família da ODPS se reunisse de modo a comemorar uma noite de partilha, alegria e pleno convívio. A Quinta da Vieira, em Paranhos, foi o local escolhido para esta realização.

Numa das mais emblemáticas iniciativas da Instituição, os colaboradores da Obra Diocesana (atuais e já reformados), os seus Órgãos de Gestão, a Liga de Amigos, entidades religiosas e civis, beneméritos, fornecedores e amigos reuniram-se, sob a presidência do Bispo do Porto, Sua Excelência Reverendíssima D. António Francisco dos Santos.

A Ceia contou com as presenças da Eng.ª Raquel Castello-Branco, Diretora do Departamento Municipal de Desenvolvimento Social, em representação da Câmara Municipal do Porto; do Pe. Lino Maia, Presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS) e Assistente Eclesiástico da Instituição; e ainda do Eng.º Rui Leite de Castro, Vice-Presidente da União Distrital das Instituições Particulares de Solidariedade Social – Porto (UDIPSS).

De destacar também as presenças do Professor Doutor Francisco Carvalho Guerra, grande amigo da Instituição e simultaneamente representante do Centro Regional do Porto da Universidade Católica Portuguesa; do Pe. Manuel Correia Fernandes, Diretor do jornal “Voz Portucalense”; e do Cónego Fernando Milheiro Leite, Pároco de Campanhã, Azevedo e Senhora do Calvário. Vários representantes das Juntas de Freguesia da cidade, antigos membros dos Órgãos Sociais, beneméritos e fornecedores estiveram igualmente presentes.

A Ceia de Natal teve início com uma oração de Ação de Graças proferida pelo Senhor Bispo do Porto, que abençoasse a refeição que se seguiria, a Obra Diocesana, todas as famílias e ainda os utentes da Instituição.

No programa da Ceia de Natal, seguiram-se quatro espaços importantes: o Momento da Gratidão, o Momento do Agradecimento, o Momento do Reconhecimento e o Momento da Distinção.
No Momento da Gratidão, o Conselho de Administração homenageou os colaboradores que completaram 25 anos ao serviço da Obra Diocesana. Cada um foi presenteado com a imagem de Nossa Senhora em cristal.

No Momento do Agradecimento, foram distinguidas as Educadoras Ana Duarte, Ângela Santos, Cláudia Bento e Cristina Figueiredo, pelo empenho na idealização e desenvolvimento das diversas iniciativas constantes dos Programas de Atividades dos últimos anos; os colaboradores Mário Costa, Jorge Magalhães e Paulo Lapa pela sua disponibilidade total, empenhamento e lealdade; e ainda o colaborador Ângelo Santos pela criação e acompanhamento crescente do grupo de percussão “A Obra a Rufar”.

O antigo Vogal do Conselho Fiscal, José Santos, e também o atual Vogal do mesmo órgão de gestão, Eng.º José António Carvalho, foram agraciados no Momento do Reconhecimento.

Por fim, no Momento de Distinção, foi a altura de homenagear o Frei Bernardo Domingos, primeiro Assistente Eclesiástico da ODPS e desde sempre amigo da Instituição; e a “Voz Portucalense”, na pessoa do seu Diretor, Pe. Correia Fernandes.

Ao longo do jantar, todos os convidados foram presenteados com uma pequena lembrança alusiva ao Natal, oferta do Conselho de Administração e realizada pelos Centros Sociais do Cerco do Porto e do Lagarteiro.

A Ceia de Natal continuou com os habituais momentos protocolares. Começou por usar da palavra o Presidente do Conselho de Administração. O Senhor Américo Ribeiro fez um balanço dos últimos doze anos, desde que assumiu as suas funções à frente da Instituição. Recordou que a sociedade mudou muito ao longo deste período, mas que a ODPS “mantém a sua matriz e a sua característica principal – ser social”. Afirmou que “ser colaborador da ODPS permite desenvolver capacidades humanizadoras, auxiliadoras, de comunicação, de relacionamento interpessoal, de aprendizagem, de ensino e de cooperação”. Relembrou que a Instituição “serve o próximo com amor” há mais de 50 anos. Frisou que, atualmente, os colaboradores estão, cada vez mais, focados na prestação de serviços de e com qualidade. Salientou a importância da transparência e da verticalidade como “pilar primordial para o crescimento e conservação” das Instituições.

Abordou a evolução natural da ODPS ao longo deste período e salientou a boa gestão financeira que impera na Instituição. Nós, Conselho de Administração, conseguimos equilibrar sempre os orçamentos; cumprimos, escrupulosamente e sempre, os nossos compromissos; nunca falhámos com nenhum dos nossos encargos.

É por este passado de história que nos orgulhamos e por este presente de rigor que nos alegramos, reconhecendo que os tempos futuros não serão fáceis para as IPSS, mas acreditamos que esta, se respeitar a sua equação Transparência = Verdade, manter-se-á firme e sólida, como aconteceu durante estes 12 anos!

Mais de uma década de trabalho e abnegação foi para Nós – Conselho de Administração, uma experiencia enriquecedora, memorável, incrível e inigualável. Por tudo o que foi criado, desenvolvido, edificado e traduzido em valor acrescentando, sentimo-nos merecedores de um reconhecimento, tal como o fazemos, e de modo enfatizado, com os nossos colaboradores, por parte de quem tem na ODPS não um “problema”, mas um exemplo de gestão, organização, administração, rigor financeiro e estrutura.

Terminou com uma menção à importância do apoio da Diocese do Porto à Instituição, afirmando que “A Obra Diocesana não é só deste Conselho de Administração, a Obra Diocesana é da Diocese do Porto e de Sua Excelência Reverendíssima D. António Francisco dos Santos…
EU + TU um dia fomos NÓS!“

O momento seguinte contou com as intervenções do Professor Doutor Francisco Carvalho Guerra e da Eng.ª Raquel Castello-Branco. Ambos os discursos reconheceram e elogiaram o importante papel social da Obra Diocesana em prol da população mais carenciada, bem como um enaltecimento aos colaboradores e Órgãos Sociais pelo seu trabalho diário.

No final da Ceia, decorreu a intervenção de D. António Francisco dos Santos. O Senhor Bispo do Porto começou por saudar todos os presentes e as suas famílias. Estruturou a sua mensagem em três palavras – saudação, gratidão e mensagem. Disse que estas três termos procuram responder a três questões que diariamente se lhe colocam – “quem somos?”, “o que fazemos?” e “porque estamos aqui?”.

Na abordagem à primeira palavra, cumprimentou todos, numa “saudação que tem mais sabor e sentido em tempo de Natal”. Sobre a gratidão, expressou-a na alegria que viu espelhada nos rostos dos colaboradores que trabalham com “sacrifício, esforço e dedicação de vidas inteiras” dadas à casa e à causa da ODPS. Enfatizou que este esforço é “uma atitude sentida de quem quer ajudar a viver”. Prosseguiu com a certeza de que “o quer fazemos não se responde em palavras, mas diz-se na obra diária, no trabalho dos nossos centros locais, no acolher das crianças, na atenção às famílias, no aconchego aos idosos, na visita às casas, no percorrer das ruas, no procurar soluções para problemas difíceis, no amparar quem está frágil, no alentar quem está desanimado, no dar rumos novos a vidas sem encanto e sem desígnio”. Por fim, como mensagem, explicou que “estamos aqui para celebrar e viver o Natal, em família”. Recordou que “quanto mais e melhor formos família, enquanto Obra Diocesana de Promoção Social, mais ajudaremos as famílias que servimos, mais ajudaremos a nossa cidade a ser família e mais nos tornaremos irmãos e irmãs uns dos outros”. O Senhor Bispo do Porto exprimiu a sua convicção de que a Obra Diocesana é “necessária e imprescindível”. Encerrou com os votos de um santo Natal para todos.

Confira as fotografias deste dia, na respetiva galeria.

Voltar